A casca de pinheiro é frequentemente utilizada em jardins como cobertura de solo, quer seja para acrescentar um toque decorativo ao espaço, quer mesmo para prevenir o crescimento de plantas infestantes (as ditas ervas daninhas).

Mas será que posso utilizar a casca de pinheiro também nas plantas de interior? Deixamos-te aqui algumas considerações sobre este tema.


 

1. DECORATIVO

Uma das razões porque se utiliza casca de pinheiro e outras coberturas de solo nos jardins, é para acrescentar um toque decorativo ao espaço. Nas tuas plantas de interior também podes querer acrescentar aquele toque à superfície dos teus vasos, pelo que aconselhamos a que escolhas uma cobertura de substrato adequada às tuas verdinhas lá de casa.

A casca de pinheiro, do ponto de vista decorativo, pode ser adequada, nomeadamente se queres acrescentar um look mais campestre ao teu espaço. Pode, no entanto, ter o inconveniente de os pedaços de casca serem muito grandes para a maioria dos teus vasos, caso sejam plantas mais pequenas. Em alternativa, podes utilizar o nosso SOIL TOPPER – uma cobertura de substrato especialmente indicada para plantas de interior, feito 100% de cortiça. Para além de conseguires o toque natura para a tua decoração da casa, é ideal para qualquer tamanho de vaso, já que o granulado é pequeno e de fácil aplicação.

2. CONTROLO DE INFESTANTES

A segunda razão porque se utiliza casca de pinheiro e outras coberturas de solo em jardins exteriores é para permitir um melhor controlo do crescimento de plantas infestantes. Estas plantas, não só criam um efeito estético indesejado nos jardins, como competem com as plantas colocadas para o fim paisagístico pretendido.

No interior de nossas casas este problema não existe, já que estando num ambiente controlado, a probabilidade de uma semente destas plantas infestantes vir a depositar-se e a vingar no substrato das nossas plantinhas é muito baixa.

 

3. RETENÇÃO DA HUMIDADE

Um dos benefícios de acrescentar uma cobertura às nossas plantas de interior será podermos prolongar a humidade do seu substrato. É particularmente importante a utilização de coberturas nestas situações:

  • No Verão, quando as temperaturas são elevadas e a humidade do ar é muito baixa;
  • Em plantas envasadas directamente em vasos terracota não impermeabilizados, já que nestes casos, a evaporação da água de rega é superior à de vasos de plástico;
  • Em plantas que gostam de ter os níveis de humidade no substrato sempre constantes, como é o caso dos fetos e das calateias, por exemplo.

A casca de pinheiro pode ser benéfico nestas situações, mas se a tua casa é muito húmida, ou tens as tuas plantas em locais com pouca luz e predominantemente envasadas em vasos de plástico, deverás analisar se o substrato seca bem entre regas. Lembra-te que a maioria das plantas de interior gosta de ciclos de substrato húmido / seco. A casca de pinheiro tende a ficar húmida durante largos períodos de tempo, podendo não deixar que estes ciclos aconteçam, sendo prejudicial em situações de humidade elevada e pouca luminosidade e arejamento.

Em alternativa, podes utilizar o nosso SOIL TOPPER. A cortiça é um excelente regulador térmico e sendo um material impermeável, não absorve a humidade, tornando-se uma excelente cobertura de substrato para plantas de interior, mesmo durante todo o ano e para qualquer tipo de planta. Preserva a sua humidade, assegurando contudo um conveniente arejamento.

 

4. ACIDIFICAÇÃO DO SUBSTRATO

Uma última consideração prende-se com a possível acidificação do solo ao utilizar casca de pinheiro. A utilização prolongada desta cobertura pode baixar o pH do substrato e consequentemente a sobrevivência de microrganismos benéficos. É sabido que a maioria das plantas de interior prefere substratos ligeiramente ácidos, mas convém garantir que o pH do substrato se mantém adequado a cada tipo de planta.

O nosso SOIL TOPPER é uma excelente alternativa! Por ser um material inerte, não irá interferir com o pH do substrato das nossas plantas de interior, nem tão pouco com todos os organismos benéficos que fazem parte da sua estrutura orgânica.